quinta-feira, 1 de outubro de 2020

Estudos fraternos.

Uma das grandes vantagens de se pertencer ao Clã Moy Jo Lei Ou,  Instituição que leva o nome Kung Fu do Mestre Sênior Julio Camacho, ao que me refiro por Si Fu (Líder de Família Kung Fu) nessas linhas, é que hoje temos uma grande variedade de praticantes sêniores com longas "horas de vôo" de experimentações do Sistema Ving Tsun de Inteligência Marcial. Ressaltando também, que o fato de estarmos sob a liderança de um Si Fu com quase duas décadas de experiência como Mestre, com maturidade para saber gerar cenários favoráveis para cada um de seus Discípulos desenvolver a expressão artística pessoal individual no aprimoramento do Kung Fu. 

Diante da riqueza de diferentes maneiras de abordar os dispositivos do Sistema, passamos promover encontros entre os mais antigos discípulos no Núcleo Ipanema, para trocarmos experiências e expormos nossas diferentes visões sobre a Fase Semi-estruturada. E nesse bate bola requintado com muita sintonia, tal como aqueles times bem entrosados de futebol que "jogam por música", sem a necessidade de nenhuma postura professoral, ou as antigas disputas de egos de quando éramos inexperientes praticantes. nos permitimos o fluir de nossas peculiares leituras com muito Kung Fu. 

Nosso Si Fu costuma dizer que não é nada suspeito pelo seu enorme e crescente entusiasmo com o Sistema Ving Tsun, porque dado suas décadas de dedicação em estudá-lo profundamente, suspeito é quando um "novato" tem tamanho apreço por essa obra de Arte Marcial, sem sequer conhecê-la muito bem. Nesse mesmo espírito, eu e meus irmãos Kung Fu temos buscados nesses encontros, de maneira muito serena e zelosa, mergulhar cada vez mais profundo nas incríveis nuances de cada dispositivo que foram nos apresentado durante nossas jornadas. 


O mais saboroso desse banquete marcial, é a sensação que tenho de poder ressignificar meus pontos de vista sem abrir mão dos meus entendimentos, pois cada encontro desse, onde a sintonia e a mente aberta de cada um de nós da "velha guarda"da Família se faz presente, é um evento de altíssimo nível promovido dentro de simples e bons momentos, nos ensinando aprender a aprender, de maneira sóbria, e muito divertida.



Nunca dê três passos maiores que uma braça.


Talvez um dos conselhos mais antigos que me recordo de ter sido repetido exaustivamente por todos os que conheceram em minha juventude é o sobre nunca se dar um passo maior que a própria perna. Minha natureza impulsiva, destemida e questionadora, sempre me levou ignorar essas sábias palavras como se fossem tolices que levadas ao pé da letra, me manteriam aquém do potencial que sempre vi em mim. A ousadia sempre me foi muito mais sedutora que a prudência, e hoje compreendo bem o preço que paguei em não entender que o problema nunca foi transgredir os limites que me impunham, mas sim não respeitar os meus limites até nas circunstâncias mais tranquilas.

Nos últimos meses, o Mestre Sênior Julio Camacho, ao qual me refiro por Si Fu nessas linhas (Líder de Família Kung Fu), vem ministrando diretamente de Miami aos seus discípulos aqui no Brasil, encontros on-line sobre sua compreensão e entendimento da Trilogia de Níveis que Compõe a Fase Estruturada do Sistema Ving Tsun de Inteligência Marcial. E em seus últimos encontros, fiquei muito satisfeito comigo mesmo em perceber que algumas profundas mudanças na minha velha maneira de agir e pensar, como o que mencionei acima no primeiro paragrafo, estão acima de tudo, muito alinhadas com a natureza dos Domínios do Sistema Ving Tsun dentro da perspectiva pessoa; que meu próprio Si Fu compreende.


No caso do Domínio Cham Kiu, Nível Intermediário da Fase Estruturada, cuja transliteração direta do Cantonês para o Português pode significar Ponte de Uma Braça, nomenclatura que num olhar superficial talvez não faça muito sentido para nominar uma das Naturezas de um Sistema Marcial, mas que quando se investiga com mais profundidade, compreende-se o simbolismo referente aos desafios dentro da própria capacidade,  através dos movimentos corporais em sintonia com a proposta de execução que a prática nos sugere. Pois esse conceito traduz em muito o executar  de sua sequência levando a energia gerada pelo corpo ao limite do próprio alcance em todas as direções, através da manutenção dinâmica do posicionamento ideal construído no Nível anterior, de maneira onde diferentes partes do corpo se movimentam sem se perder a fluência, na busca pelo equilíbrio, sempre respeitando os próprios limites. 

Quando durante nossa Prática Especial On-line, meu Si Fu ressaltou, que o grande desafio desse nível, tratava-se de desenvolver a capacidade de superar os pequenos obstáculos da vida, pois uma braça é o limite máximo de entre uma mão e outra com os braços esticados lateralmente, que dá o exato tamanho de três passos sobre uma base onde os pés ficam na distância ideal para um transferência de peso de maneira estratégica, imediatamente me senti satisfeito em perceber que já tem algum tempo que ando bastante atento em desenvolver a capacidade de "dar passos do tamanho da minha perna" em todas as minhas ações, e abrindo mão dos grandes saltos arriscados que sempre gostei de ousar em minhas decisões. 

Como também já ouvi inúmeras vezes no Círculo Marcial que é comum um praticante de Ving Tsun não se dar conta do quanto te Kung Fu conseguiu desenvolver. Essa semana foi um desses raros momentos que fiquei feliz em perceber o quanto amadureci nesse sentido. Mas como sempre me orienta meu Si Fu, não posso me dar o luxo de parar para comemorar, muito menos me dar por satisfeito por muito tempo para não incorrer no risco de se acomodar diante do tanto que se tem para aprender. Que venham novos desafios!



segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Kung Fu não se testa.

Nas palavras do Mestre Sênior Julio Camacho, o qual chamo de Si Fu nestas linhas (Líder de Família Kung Fu)  toda tentativa de se testar o próprio Kung Fu parte da ingenuidade do praticante. No alto Nível o processo de Desenvolvimento oriundo da prática do Sistema Ving Tsun, não se tem como testar o quanto temos de Kung Fu em nossas ações, primeiro porque nenhum resultado prático pelo olhar marcial pode ser dado como plenamente satisfatório, pois o Kung Fu nos impele ao processo de melhoria constante, e por fim porque a manifestação do Kung Fu desenvolvido por cada se dá na exata medida do quanto investimos no processo de próprio desenvolvimento. Como disse meu Si Fu hoje durante a prática do Nível Superior Final, o que se deve fazer, é simplesmente executar o que tem a ser feito, dentro da capacidade que se tem de fazer. 


O distanciamento emocional diante do resultado de cada ação de um praticante em busca pelo alto nível não permite quem caminha nessa jornada se envergonhar ou se envaidecer do próprio Kung Fu. A marcialidade de encarar o simbolismo de morte em cada ação, traz ao praticante uma profunda reflexão sobre cada processo de maneira buscar arte em cada gesto, e na arte não há erros nem acertos, apenas a expressão pessoal do artista. O que se consegue medir com relativa objetividade é o quanto essa expressão tem o poder de inspirar o outro através dos processos de mobilizações. 


Meu Si Fu sempre coloca o Kung Fu como uma lente que nos permite compreender o universo além da visão superficial do senso comum. Uma habilidade desenvolvida através do investimento inteligente e estratégico que se permite ir além do olhar coloquial sem colocar resultado acima dos processos. Portanto, avaliar de maneira cartesiana esse desenvolvimento em si já parte de um contra senso, porque não faz sentido algum estabelecer ou mensurar parâmetros para o desenvolvimento humano. 

terça-feira, 15 de setembro de 2020

Família é para essas coisas.

         Muitos praticantes do Sistema Ving Tsun de Inteligência Marcial já devem ter se perguntado qual o papel de uma Família Kung Fu? Mesmo que não se tenha uma resposta pronta na cabeça, ouso dizer que todos que tenham vivenciado algum período dentro de uma experiência de Vida Kung Fu, sentem que sabem muito bem o significa pertencer à uma. 


        Durante muitos anos da minha própria jornada como praticante, eu não tive maturidade suficiente para apreciar o benefício de ter vitaliciamente alguém cuja responsabilidade é acima de tudo ser meu mentor dentro dos preceitos do Kung Fu. Em muitas ocasiões meu Si Fu (Líder de Família Kung Fu) me deu exemplos claros, orientações precisas, e apontamentos objetivos sobre o quanto eu desperdiçava essa incrível ferramenta de desenvolvimento ao meu dispor dentro da ambiência da Família Moy Jo Lei Ou.  E por inúmeros momentos que jamais voltarão, eu deixei-me escapar oportunidades ímpares de me desenvolver através dos desafios desse convívio nuclear de um grupo de pessoas dispostas se dedicarem ao nosso Legado Marcial. 


Família Kung Fu, ao contrário de uma família consanguínea, é um ambiente rico de experiências dissonantes onde todo processo independente do resultado pode e deve ser aproveitado para se desenvolver-se muito além daquilo que imaginamos sermos capazes. Através do constante investimento de nosso Si Fu na aposta de fazer de cada um de seus liderados grandes líderes. Ou como ele disse numa certa ocasião onde tive que trabalhar e superar meus desconfortos: seu sonho como Si Fu era que cada ato dele gerasse evolução em seus discípulos. Mas como diria Mané Garrincha, pra assim ser, "é preciso combinar com os Russos", ou, que o outro lado deve estar tão disposto nessa busca quanto nosso Si Fu sempre se coloca disponível na orientação. 


A minha concepção de Família Kung Fu já mudou inúmeras vezes, e minha maior esperança que que sempre mude, porque se assim continuar sendo, significa que continuarei disposto cada dia aprender e realizar mais através da Vida Kung Fu.  E qual é a sua?

 


segunda-feira, 14 de setembro de 2020

Navalha na folha.

         O Nível Superior Final do Sistema Ving Tsun de Inteligência Marcial, que hoje me é dado acesso pelo Mestre Sênior Julio Camacho, ao qual chamarei por Si Fu nessas linhas ( Líder de Família Kung Fu) promove aos que se dedicam à sua prática, a capacidade de usarem seus corpos como poderosos instrumentos de desenvolvimento mental. Executar com precisão, letalidade e estratégia, na busca de extrair todo o potencial alcançável  através do manejo das duas facas (Ving Tsun Do), vem transformando minha própria maneira de compreender o mundo, e até compreender-me melhor. 

        Me recordo que quando iniciei minha jornada pelo Kung Fu, minhas distantes fantasias me faziam

acreditar que o domínio do Sistema era uma questão de esforço aliado ao tempo de prática. Não que esses dois componentes não estejam presentes naqueles que completam os Seis Níveis de nossa Arte. Mas quanto mais me aproximo do término do acesso das Listagens que compõem essa Obra de Arte Marcial, mais me sinto um aprendiz me encantando com cada nova descoberta diante do  vasto campo de conhecimento ainda a ser desvendado. Perceber como meu corpo e mente, como uma máquina ainda dessincronizada vem buscando sintonia através do meu mergulho de cabeça na prática, tem me trazido grandes momentos de reflexão sobre o quanto eu desperdicei todo o potencial que sempre tive, mas que sequer percebia, dado minha ausência de Kung Fu.

        Hoje durante a prática semanal coordenada pelo Si Fu de Miami, eu me dei conta da sutil diferença entre agressividade e marcialidade. Onde usando apenas a primeira, não seria capaz sequer de furar uma folha de papel, mesmo usando as armas de verdade que tenho. Mas quando passo colocar o Sistema Ving Tsun a serviço de algo que pode parecer apenas uma simples estocada de faca, o resultado tanto externo, quanto internamente em meu corpo, traduz-se numa inenarrável experiência de Kung Fu.



terça-feira, 1 de setembro de 2020

Resenhas Marciais.

O termo resenha vem caindo cada vez mais na linguagem coloquial, e graças ao poder de transformação da língua, vem assumindo diferentes significados no cotidiano. 

Recentemente fui convidado para uns amigos para um resenha, e a primeira pergunta que fiz, era qual seria o tema. Surpreendentemente descobri que se tratava de uma festa entre conhecidos, um momento de entretenimento sem nenhuma profundidade além de divertimento.  Por vezes sinto dúvidas se a medida que envelheço, meu maior desafio é acompanhar a evolução tecnológica, me manter atualizado à volatilidade linguística, ou não me assustar com o estalos dos meus joelhos. 

Eu e o Mestre Sênior Julio Camacho

Um das melhores coisas do Sistema Ving Tsun de Inteligência Marcial, é que uma importante parte do desenvolvimento do meu Kung Fu, que inclusive tem impacto crucial na manifestação das minhas habilidades demonstradas durante a prática, se dá através do investimento na Vida Kung Fu. Sendo boa parte desse processo de aprendizado pela da comunicação verbal, e em alto nível através da manifestação das resultantes das minhas ações.

Recentemente, em razão de algumas decisões necessárias, estou morando com meu Sidai (Irmão Kung Fu mais novo) Guilherme de Farias. Isso tem nos permitido extrair do convívio, momentos intensos de imersão Kung Fu. No último Domingo, após uma prática matutina do Nível Superior Final, que havíamos programado para uns dez minutos e que durou uma hora e meia, fomos apreciar um café da manhã, onde o assunto não foi outro, senão uma troca de perspectivas do Sistema Ving Tsun. Uma profunda conversa entre dois praticantes, onde debatemos pontos distintos de nossas abordagens aos mesmos dispositivos sistêmicos de nossa arte, cada um buscando em si um enraizamento mais profundo para defender o próprio ponto de vista, num rico embate onde não houve derrotados, pois tínhamos a clara consciência que nenhum dos dois almejava convencer o outro, estávamos ali para através do outro, enriquecer nossos próprios pontos de vista, de uma maneira tão ímpar que só através de muito Kung Fu se é possível. 

No dia seguinte, eu tive uma reunião com o Mestre Sênior Julio Camacho, meu Si Fu, sobre a reabertura da sede do Núcleo Barra, e pude me dar conta do quanto o desenvolvimento do meu Kung Fu vem se transformando em resultados para todo esse processo, através de uma dedicação cada vez mais alinhada aos valores de nossa Família Kung Fu, manifestados pela minha crescente capacidade de prática do zelo em minhas ações. 

Eu e meu irmão Kung Fu Guilherme de Farias
A noite se encerrou com nossa prática on-line do Nível Superior Final, conduzida pelo Si Fu. Em razão de alguns compromissos, não retornei para casa que divido com o Guilherme, mas pedi-o que colocasse meus Ving Tsun Do de praticar num Uber, de forma que chegasse onde eu estava em tempo da hora do encontro. Curiosamente o Si Fu não solicitou-me demonstrar a Listagem com as armas, mas o simples fato de estar com elas à disposição, depois de um dia praticamente quinze horas de trabalho interrupto, sem nenhuma desculpa na ponta da língua para caso ele me solicitasse e eu não tivesse providenciado a chegada das facas, já é para mim algo que ele sempre buscou me ajudar desenvolver. A capacidade de me manter em guarda e prontidão constante, sem deixar brechas nas minhas ações que me permitam ser golpeado pela vida. 

O mais admirável da busca pela incansável pela inalcançável  Excelência Marcial, é que não é tão cansativo quanto eu imaginava, antes desse meu mergulho mais profundo no universo Kung Fu. Para mim tem sido até muito animador e até mesmo divertido, poder compreender cada vez mais o potencial de nossa Arte Marcial como ferramenta de Desenvolvimento Humano. Assim como tem me sido muito gratificante minha dedicação em traduzir aquilo que assimilo através do meu trabalho no processo de Transmissão do Sistema Ving Tsun, tal como uma resenha no sentido de descritivo e até mesmo crítico, como na conotação mais festiva do moderno uso da palavra. 


sábado, 22 de agosto de 2020

Ensaios sobre a nitidez.

O Mestre Sênior Julio Camacho, ao qual me refiro por Si Fu nesse artigo, termo em Cantonês que pode ser entendido como Líder de Família Kung Fu, iniciou nesse mês uma Série Especial de Aulas on-line para Discípulos e alunos, diretamente de Miami, onde atualmente reside, chamada Desvendando os Segredos da Trilogia Fundamental do Sistema Ving Tsun de Inteligência Marcial.  Onde se propôs de uma maneira ímpar e inédita, revelar suas mais íntimas percepções forjadas em três décadas de dedicação à nossa Arte Marcial, brindando à todos os participantes dessa verdadeira epopéia marcial, um parto material de estudo conceitual e corporal da Fase Estruturada do Sistema, promovendo grande colaboração ao desenvolvimento de Kung Fu, até mesmo para os praticantes mais sêniores da nossa Família. 

Ressignificando o Siu Nim Tau

Na Quarta Feira, dia 19 de Agosto de 2020, mergulhamos fundo na primeira parte do Domínio Siu Nim Tao, Nível Básico do Sistema, através da majestosa orientação de nosso Si Fu. Onde experimentamos de maneira indescritível, o sutil fluxo energético entre relaxamento e contração simultâneos de grupos musculares do corpo, pelo uso da Listagem de Movimentos de Combate Simbólicos deste Nível, de maneira aprimorarmos a sutileza da percepção dos Dispositivos de cada movimento, fazendo literalmente cada parte do corpo pegar carona nos estímulos gerados, levando a sequência acontecer com o mínimo de empregabilidade da vontade de executá-la. 



A sensação da prática em alto nível de sintonia com a Natureza do Sistema, me fez rever manias enraizadas nos meus padrões de prática há mais de uma década, e me surpreendeu positivamente do quanto tenho a descobrir sobre mim mesmo, pela ótica marcial, através do uso da Kung Fu como ferramenta de auto conhecimento. A maneira como meu minha atitude mental se reflete em meus gestos, expostas descaradamente em minhas próprias sensações durante a prática, me traz a luz para refino próprio, muitas nuances de mim mesmo que o Kung Fu vem me revelando ao longo desses anos. E graças à essa nova etapa por intermédio dessas atividades desenvolvidas pelo meu Si Fu, tenho um novo conjunto de intrigantes desafios para enfrentar, a cada nova descoberta que se aflora nesse desvendar marcial. 

Grato por esse momento, sigo firme nessa proposta de um mergulho cada vez mais radical dentro da minha arte, indo até onde jamais ousei ir antes nos mais ocultos detalhes que tanto me estimulam na infinita busca do saber. Uma busca que por si só, pode ser simbolizada pelo fato da língua cantonesa não ter o verbo aprender no passado, pois pela lógica desse idioma, é impossível ter-se a plenitude de se ter aprendido algo.  Dessa maneira me inspiro nessa busca cujo mais importante não está em alcançar o objetivo, mas no degustar de maneira contemplativa cada nuance dessa jornada sem fim. 







Escada para excelência.

Nesse mês, todas as Quartas tenho um encontro marcado com o Mestre Sênior Julio Camacho, ao qual me passarei me referir por Si Fu nessas linhas, que pode ser entendido por Líder de Família Kung Fu, para o  desafiador Programa de Mestrado do Clã Moy Jo Lei Ou. Onde trabalhamos intensamente o processo de Transmissão do Nível Superior Final do Sistema Ving Tsun, Domínio Baat Jaam Do, em todas suas exigências, não só dos pontos de vista técnico e teórico, mas também na preparação criteriosa que meu Si Fu promove aos mestrandos para ter tornarem futuros Líderes de Família a altura de Honrarem a Denominação Moy Yat Ving Tsun. 


Mestre Sênior Julio Camacho à esquerda e Mestre Qualificado Leonardo Reis ao Fundo

Nesta quarta, dia 19 de Agosto de 2020, a turma de mestrandos composta por mim, Meu Si Hing Vladmir Anchieta  (Irmão Kung Fu mais velho) e meu Si Dai Guilherme de Farias (Irmão Kung Fu mais novo), nos encontramos para mais uma etapa do Programa de Mestrado para orientação da escrita do Livro dos Mestres, e preparo dos materiais áudio-visuais que compõem o processo. E nosso Si Fu, nos narrou a evolução de todo o processo da segunda geração de mestres preparados por ele, exortando-nos tornar "mais difícil" para grupos de mestrandos que virão após nossa Titulação, através da qualidade do material que estamos preparando. 

O desafio que nosso Si Fu sempre se propõe é usar toda experiência para refinar-se progressivamente. Desta maneira, como ele mesmo nos disse, o grupo de Mestres titulados anteriormente por ele, formado por nossos Si Hing Leonardo Reis e Thiago Pereira, permitiram-no construir um trabalho de preparo muito mais rico para nosso grupo, ficando assim a nosso encargo enriquecermos ao máximo dentro de nossas capacidades para que a próxima leva de futuros Mestres tenham ainda um desafio maior, e assim sucessivamente. Tornando a inefável plena excelência como meta a ser perseguida incansavelmente, proporcionando às gerações vindouras de praticantes do Sistema Ving Tsun, Líderes cada vez mais gabaritados para legarem cada vez com mais esmero nossa preciosa Arte Marcial.
Eu, Mestre Sênior Julio Camacho e Mestre Qualificado Thiago Pereira ao fundo.





A incessante busca pela melhoria é característica inerente aos grandes líderes, e nossa Instituição tem por objetivo permitir aos que desejam, desenvolver a capacidade de liderança efetiva como ferramenta de desenvolvimento humano. Dessa maneira que para se tornar um Líder de Família Kung Fu em nossa Linhagem, muito além de alguém autorizado a transmitir conhecimentos, é preciso acima de tudo o exercício constante de ser alguém que através do próprio exemplo tem o dever de inspirar seus liderados de como usar desses conhecimentos para se tornarem grandes artistas marciais na luta do dia a dia, assim como nosso Si Fu o é.


domingo, 16 de agosto de 2020

Regando sementes de Kung Fu.


Nesta quarta-feira, dia  de Agosto de 2020, o Mestre Sênior Julio Camacho, ao qual passarei me referir por Si Fu nessas linha, estreou junto com integrantes do Clã Moy Jo Lei Ou, do qual é seu Líder Kung Fu, a Atividade de teórica e prática inspirada no seu Saber do Sistema Ving Tsun de Inteligência Marcial chamada: Desvendando a Trilogia Fundamental. Onde sua proposta é levar aos integrantes de nosso Clã, seu entendimento pessoal sobre o Sistema, começando pelo Nível Básico da Fase estruturada, o Domínio Siu Nim Tau - 小念頭.

Trazendo a tona textos que se referem a algumas falas do Patriarca Moy Yat,  quem trouxe o Sistema Completo para o Ocidente e meu Si Taai Gung, e transcritas pelo Grão Mestre Leo Imamura, Meu Si Gung, meu Si Fu brindou nos com seu entendimento sobre essas palavras, numa verdadeira jornada temporal do conhecimento que transpassou as cinco gerações presentes direta e indiretamente, numa conversa feita de maneira remota pela internet. 

Através dessas falas com o uso de termos em Cantonês escolhidos de maneira sempre criteriosa por nosso Patriarca, meu Si Fu foi tirando muitas das vendas de nós praticantes usamos, expondo conceitos simples, e até mesmo óbvios, do Domínio no qual todo Sistema é Apoiado. 

Do que extraí de suas falas, passei sentir cada vez mais que o Siu Nim Tau pode ser visto como uma semente que me permite o aflorar do Kung Fu, quando paradoxalmente me permito podar meu ego. O coração de um praticante novato, e muitas vezes sênior também, é cheio de desejos, trejeitos, critérios, amarras e razões, se tornando a uma espessa névoa que acoberta o gigantesco poder que existe oculto no apequenamento. Tornar-me insignificante é o maior desafio que posso encontrar dentro daquilo que meu Si Fu traduziu da Sabedoria que existe contida nos simples movimentos de uma Listagem tão marcial, que não é possível encontrar movimentos que tenham aplicabilidade efetiva num combate, principalmente enquanto perdura o imaturo desejo por lutar.

O Siu Nim Tau me permite uma honestidade comigo mesmo que só é possível de se ouvir se eu permitir que meu corpo fale através dele. Está abaixo das camadas racionais e emocionais, e isso tudo que digo, foi reforçado pela exibição do Vídeo, ao final da primeira aula, onde meu Si Fu executou a Listagem, de acordo com suas palavras, da maneira mais honesta que já tenha a feito. E tanto que assim foi, que todos os participantes dessa aula, mesmo que distantes fisicamente conectados de maneira remota pela internet, se emocionaram com a arte em movimento do meu Si Fu.


segunda-feira, 10 de agosto de 2020

Alinhando os passos.

 Recentemente numa conversa uma das poucas pessoas que me conhecem profundamente, dado nossa amizade de uma década e meia, abordamos o assunto do quão somos reativos aos eventos do cotidiano. Basta uma curta caminhada pela calçada de qualquer centro urbano do planeta com circulação pesada de veículos para em menos de um minutos podermos observar a agressividade do comportamento dos motoristas, reagindo com insanas arrancadas e freadas, gestos grotescos, e com o acionamento nada eficaz da buzina, para não dizer irritante. 

O episódio desse dialogo me levou para uma profunda reflexão da minha própria reatividade ao meio, e como extraí benefícios do Sistema Ving Tsun de Inteligência Marcial, porém o mais importante, o quanto ainda tenho para obter benefícios desse maravilhoso estilo de Desenvolvimento Humano através do Combate Simbólico agora que estou tendo acesso a Fase Superior Final de nossa Arte.

Comecei levar para as minhas práticas uma atenção redobrada aos meus sentimentos em cada ação, como regia ao risco do gole, ao ser golpeado e também ao golpear. E procurei me trabalhar apoiado numa das falas recorrentes do meu Si Fu, que sempre diz que um praticante de alto nível não pode permitir se vitimar nem com a derrota, muito menos coma vitória. E apoiado em seus ensinamentos sobre a necessidade de precisão tanto durante prática, quanto no dia a dia, através de uma constante atenção cuidadosa com meus atos e palavras venho buscado uma profunda ressignificação das meus padrões de reação aos incontroláveis eventos da vida.

Curiosamente, toda arte marcial toca fundo numa característica inerente ao ser humano, a competitividade. Entretanto o sentido de Família Kung Fu nos exorta uma compreensão diferente, contida em nosso processo de transmissão .Aquilo que chamamos de mobilização nos faz entender que quanto mais me esforço para que o Kung Fu do outro evolua, naturalmente o meu evolui sem que eu precise me preocupar com isso. 

Dessa forma, passei investir pesado em 

reduzir meu ego inflamado e imaturo durante a prática, e comecei perceber inúmeros mecanismos mentais que ativam minha impulsividade. Em outras palavras, comecei buscar parar de me preocupar de ser atingido e buscar entender melhor o porque estava sendo golpeado, assim como reduzir minha vontade de golpear a todo custo e passei buscar golpear apenas quando havia plena condição de o fazer.  E acima de tudo manter o foco no processo, e não no resultado, desenvolvendo  uma notória tendencia a consequências mais eficazes, reduzindo e substituindo a angustia da expectativa pela estratégia de construir perspectivas.  

Traduzindo isso para o cotidiano, pude redirecionar a energia que costumava gastar em reações impulsivas, para me preparar melhor para o dia dia. Entendendo fundamentalmente que estar preparado parado não impende que os imprevistos me atinjam, mas tal como na prática Shi Sao, a qualidade da minha preparação em cada "rolada de braço"me dá condições de apreciar plenamente o momento presente, e acompanhar atentamente suas transformações, me ensinando não forçar que as coisas aconteçam, mas me manter em constante espera estratégica para me beneficiar das situações no momento em que elas estão se configurando. Me tornando uma pessoa cada vez mais eficaz nas minhas ações e cada dia mais humana pela perspectiva da Vida Kung Fu.


  



terça-feira, 4 de agosto de 2020

O Kung Fu tem a ver com vencer a procrastinação?

Kung Fu Life Style



Sou Claudio Teixeira, Discípulo do Mestre Sênior Julio Camacho,  que foi Titulado pela Moy Yat Ving Tsun Martial Intelligence, ao qual passarei me referir por Si Fu nesse artigo.

Hoje em dia. somos bombardeados o tempo todo por notificações, e seduzidos nos distrairmos por uma infinidade de informações inúteis, propagandas, belas imagens da vida alheia, e claro que não poderia deixar de mencionar, muitas discussões sem fim. 

Claudio Teixeira 
Quantas vezes o prazo de concluir uma tarefa parece que surgiu do nada na sua frente? Quantas vezes aquela atividade que você se comprometeu a começar caiu no completo esquecimento?

A tecnologia quando não é usada de maneira estratégica tende se tornar um grande inimiga do bem intangível mais precioso que temos, o tempo.  Potencializando o danoso hábito de procrastinar.  O enfrentamento desse comportamento, que tende se tornar um vício, requer muito mais que apenas a força de vontade tão apregoada. 

Que tal tentar a sabedoria milenar do Kung Fu?

É muito importante entendermos que uma Arte Marcial acima de tudo é uma ferramenta desenvolvida pra a guerra. E para se ganhar uma batalha é fundamental que se conheçamos muito bem nossos adversários,  os recursos de ambos, o terreno e o clima e principalmente nós mesmos. Para dessa forma aprendermos como extrair benefícios de tudo o tempo todo. Portanto se você chegou até aqui por acreditar que tem problemas em deixar tarefas importantes para depois, já é um ótimo começo!

Muito mais que um método,  esse texto é um convite à reflexão sobre nos entendermos como principais responsáveis pela maioria das barreiras colocadas entre nós e o bem estar de concluir nossas tarefas.

Começo por terminar aquela história que aconteceu entre eu e meu Si Fu que escrevi sobre na semana passada., falando sobre a inauguração desse Núcleo aqui em Ipanema,  narrando sobre ter ficado orgulhoso do meu esforço em virar a madrugada para deixar tudo em ordem, e como meus mais furtivos improvisos deram conta do recado me fazendo acreditar que ninguém tivesse notado.

Passados uns dias, tive uma conversa com meu Si Fu, cujo olhar atento percebeu todos esse improvisos, ressaltando que minha habilidade de improvisar era tamanha, ao ponto de que se houvesse uma enchente naquele local, eu seria capaz de transformar um armário num barco e salvar a todos na sala do Núcleo Barra, onde estávamos. Mas que se eu não mudasse meu hábito de deixar tudo para última hora, nunca seria capaz de deixar um legado tão sólido como o prédio que abrigava nossa escola.

Buscando no Sistema Ving Tsun de Inteligência Marcial, ferramentas para superar esse incômodo padrão de comportamento, comecei buscar noPrimeiro Nível desse Sistema chamado Siu Nim Tau, que gosto de compreender como  Caminho da Pequena Vontade. Gosto de entender esse conceito como extrair da boa vontade a energia necessária para se realizar qualquer tarefa. O que é bem diferente de força de vontade, pois quando você se esforça demasiadamente para mudar a algo, tende ao desgaste desnecessário, muitas vezes improdutivo. que via de regra  termina derrotado pelo cansaço.

Mestre Sênior Julio Camacho e Grã Mestre Leo Imamura ao Fundo
Para se fazer a coisa certa pelo motivo certo, é necessário que você se pergunte quais são seus objetivos, e o verdadeiro porquê deles. Depois disso separá-los em curto,  médio e longo prazo.  Catalogando assim todas as etapas necessárias que lhe permitam alcançá-los. Dessa forma sugiro que  procure dividir as grandes tarefas em pequenas ações,  e descubra o quão prazeroso é a conclusão dessas partes menores, até chegar ao gratificante sentimento de realização  na conclusão do seu objetivo maior, muitas vezes bem antes dos prazos de entrega

Para se medir o tempo é importante fazer uma escala temporal da capacidade produtiva sempre maneira honesta consigo mesmo, se permitindo perceber, e aproveitar melhor seus momentos de fadiga. Para dessa forma se dar intervalos fazendo algo prazeroso de maneira plena, como escutar aquela música que você adora, prestando o máximo atenção em cada detalhe dela. ou tomar aquele maravilhoso café, se deliciando com seu sabor e seu aroma. Aproveite para refletir gora quantas vezes a ansiedade causada pela procrastinação lhe privou desses momentos?

É imprescindível refinar duas características que constam na natureza do Siu Nim Tao: a preparação e o posicionamento. Se preparar para algo, pode ser entendido como e se mover em razão de tudo que é necessário para se realizar esse objetivo. Se posicionar pode ser visto como você organiza essas necessidades em dispositivos e eficazes. É importante ressaltar que quanto mais se prepara, melhor o posicionamento, e quanto melhor se posiciona,  mais se tem condições de se prepara.
e assim sucessivamente

Descubra quais as melhores ferramentas que a tecnologia tem ao seu dispor e use-as para realizar suas tarefas, ao invés de se perder respondendo um oceano de notificações que nada tem a ver com elas. Existe uma infinidade de metodologias e aplicativos que permitem gerenciar e otimizar seu tempo, organizando as informações importantes de maneira acessível.
Aula no Núcleo Ipanema da Moy Yat Ving Tsun Martial Intelligence
É assim que venho produzindo mais que nunca em minha vida atualmente, sempre me antecipando e pesquisando muito para melhoria do conteúdo do meu trabalho. Terminando sempre minha tarefas antes dos prazos de entrega,  sobrando assim mais tempo para estudar, produzir, me divertir. E até mesmo não fazer nada.


Para continuar descobrindo mais sobre os benefícios da Vida Kung F e como através do entendimento da posição neutra da guarda do estilo, nosso Si Fu explicou sobre a imaturidade do praticante e fez o Tutor Guilherme compreender como refinar o equilíbrio em suas ações,  não percam nossa próxima publicação e descubra como o Sistema Ving Tsun de Inteligência Marcial, é um Estilo de Kung Fu tão eficiente,  que serve até para lutar.






segunda-feira, 27 de julho de 2020

Revisitando com Kung Fu

Kung Fu Life Style
Me lembro que,  quando o Mestre Sênior Julio Camacho, meu Si Fu, me promoveu ao Nível Superior Final da Fase Estruturada do Sistema Ving Tsun de Inteligência Marcial, o Biu Ji, ele me disse que assimilar a natureza desse Domínio, seria equiparável uma Faixa Preta noutra Arte Marcial. Confesso que ao concluir o acesso à essa parte do Sistema, eu nem de longe me sentia um faixa preta.

Passei anos com essa sensação estranha sobre o Biu Ji, algo que não encaixava no desenvolvimento do meu Kung Fu. Como se me faltasse algum conhecimento que eu não tivesse sido me transmitido, ou alguma deficiência minha em compreender melhor o que me fora passado.

O que o futuro nos reserva?
Nesse sentido, percebi que toda vez que me reconhecia sempre "em estado de  Biu Ji", quer dizer, constantemente em condição de emergência pela minha personalidade voluntariosa, intensa e porque não estabanada. Aquilo que eu pensava ser a um componente desse Nível, era uma leitura errônea da proposta que o Domínio me trouxe. Por mais escancarado que a própria tradução termo que o nomina me dessa claro indício do que me faltava compreender. Eu não prestei atenção suficiente que o significado que faz uma alusão à agulha da bússola de alta precisão, não falava sobre a minha capacidade de voltar ao meio, ao centro, ao prumo, aos objetivos, ou qualquer outra máxima que possa dizer sobre a Linha Central. Mas sim uma óbvia referência daquilo que não deveria me desviar, e como eu deveria fazer para me manter firme nessa direção sem forçar, nem me esforçar, apesar de todas as instabilidades que a vida me traz


Recentemente, buscando um entendimento mais profundo do Signo de Corte do Nível Superior Final, ao qual estou acessando, eu comecei desenvolver a idéia que o simbolismo de morte atribuído às misteriosas Facas do Ving Tsun (Ving Tsun Do), muito mais que se re referir à letalidade das armas diante do outro, exige de de mim como praticante, uma ressignificação interior ainda não experimentada em minha Jornada Marcial. Como se fosse necessário, antes de qualquer coisa, que eu matasse uma parte de mim, para que permitisse algo nascesse em seu lugar. Mas qual parte deve ser "sacrificada" em benefício do meu Eu Kung Fu?

A resposta está cada vez mais clara, de como posso usar toda o Saber que me é transmitido pelo meu Si Fu, nesse nosso compromisso de uma Vida Inteira, para me alcançar aquilo que me prometeram quando pus os pés pela primeira vez num Núcleo de nossa Linhagem: ter em mãos todas ferramentas necessárias para alcançar meus objetivos e defender meus valores.



domingo, 26 de julho de 2020

Luta do dia a dia.

Kung Fu Life Style

A Milenar Sabedoria do Kung Fu pode ajudar resolver nossos problemas?
Através do Legado que me é transmitido pelo Mestre Sênior Julio Camacho, Titulado pela Moy Yat Ving Tsun Martial Intelligence busco me sintonizar cada vez mais ao conceito de Vida Kung Fu.

Faz algum tempo que tenho buscado soluções práticas e simples para meus desafios do cotidiano, dentro da maneira que meu Si Fu gosta gosta de dar significado ao termo Kung Fu:  "a habilidade de gerar benefício em qualquer circunstância  com legitimidade".



Fotos Tradicional Si-To

O  contato com os preceitos da cultura clássica chinesa, me fez compreender que  Kung Fu como algo muito além que uma Arte Marcial, mas sim um estilo de vida. E que me permite desenvolver minhas habilidades através de um trabalho inteligente. Usando as ferramentas que o Sistema Ving Tsun de Inteligência  Marcial me disponibiliza para mudar comportamentos pouco estratégicos e nada eficazes, assim como ampliar a capacidade de lidar com as adversidades do cotidiano. 


Claudio Teixeira 

Em razão disso, decidi desenvolver um trabalho nas redes sociais onde pretendo, junto alguns de meus irmãos Kung Fu levar esse saber apoiado em nosso estilo de vida, com inúmeras curiosidade, segredos, resenhas e entrevistas,  outros temas variados que muitos jamais imaginaram que pudessem ter conexão com a Filosofia de nossa Arte. 

Na semana que vem contarei  uma breve história de Vida Kung Fu que aconteceu comigo e meu Si Fu. Quando estávamos inaugurando o  Núcleo Ipanema, do qual sou Diretor, portanto virei a última noite em claro cuidando dos mínimos detalhes, para o evento.

Por ter deixado muitas coisas para última hora, improvisei  pequenos ajustes, como colar a tampa da caixa de disjuntores com dupla face, usar fita isolante para dar alguns acabamentos que deveriam ter sido pintados, e prender quadros com dupla face, isolar a porta do banheiro que estava transformando numa pequena cozinha, esconder  o buraco onde ia colocar uma TV. Tudo da maneira mais discreta e tão imperceptível, que fiquei orgulhoso do meu trabalho. Até  porque ninguém notou nada disso durante a inauguração. 

Loja onde inauguramos o Núcleo Ipanema 
Só que o  olhar atento do meu Si Fu encontrou quase todos esses recursos que eu tinha certeza que eram imperceptíveis. 

Passado-se alguns dias ele me disse algo que começou mudar minha maneira fazer as coisas, inclusive me inspirou abrir um Canal no Youtube, e demais redes sociais para falar melhor sobre os benefícios de ser um praticante de Kung Fu.

Contarei no próximo artigo como através do "Caminho da Pequena Ideia" pude aumentar a excelência e eficácia dos meus resultados, reforçando a máxima que o Sistema Ving Tsun de Inteligência Marcial é um Estilo de Kung Fu tão eficiente, que serve até para lutar.

segunda-feira, 20 de julho de 2020

Plena entrega.

Si Fu cercado por sua Mãe e pelo SI Gung
O desafio de se chegar ao Nível Superior Final da Fase Semi-estruturada do Sistema Ving Tsun de Inteligência Marcial(Baat Jaam Do), requer do praticante algo além da pura persistência por longos anos dentro de da transformadora jornada da Vida Kung Fu.

Eu, meus filhos e meu Si Fu
Certa vez o mestre Sênior Julio Camacho, ao qual me refiro por Si Fu nessas linhas, disse-me que um praticante ainda é imaturo quando se afeta emocionalmente com um golpe, seja ele contra, ou a favor. Que perder tempo celebrando ou reclamando da vida não é a postura de quem busca para si a responsabilidade da mestria e da liderança.

Compreender que a proposta de se desenvolver como ser humano pela perspectiva do Kung Fu não é um fim, como chegar ao estágio final de uma graduação, mas sim um meio, onde o processo é muito mais importante que o resultado, não é nada fácil para a natureza narcísica de alguém que aprende transformar o próprio corpo numa arma. Ser Legatário de nosso Sistema, requer uma maturidade conceitual incomum num mundo onde o poder muitas vezes se coloca acima do dever.



Hoje cada vez mais compreendo que o papel de um Si Fu passa distante demais do que imaginava ser, quando iniciei minha prática, e se capacitar para alcançar esse patamar está muito além do conhecimento sobre nossa Arte Marcial em todos as suas premissas.

Meu Irmão Kung Fu Thiago sendo titulado 
A entrega de se dedicar a própria vida em apostar no conceito de humanidade  como matéria prima de constante refinamento, através da aposta em relações vitalícias que o compromisso entre Mestre e Discípulo, (Si Fu To Dai), vem se tornando para mim o caminho que me permite buscar a plenitude como indivíduo.

Hoje compreendo cada vez mais que estar seguro de algo, é mera ilusão de um controle sobre a vida que nenhum de nós temos. Sequer sei se amanhã estarei vivo, mas uma coisa tenho certeza, do meu mais sincero desejo de continuar legando a preciosidade que me transmitida pelo indescritível caminho que é a Vida Kung Fu.