quinta-feira, 1 de outubro de 2020

Estudos fraternos.

Uma das grandes vantagens de se pertencer ao Clã Moy Jo Lei Ou,  Instituição que leva o nome Kung Fu do Mestre Sênior Julio Camacho, ao que me refiro por Si Fu (Líder de Família Kung Fu) nessas linhas, é que hoje temos uma grande variedade de praticantes sêniores com longas "horas de vôo" de experimentações do Sistema Ving Tsun de Inteligência Marcial. Ressaltando também, que o fato de estarmos sob a liderança de um Si Fu com quase duas décadas de experiência como Mestre, com maturidade para saber gerar cenários favoráveis para cada um de seus Discípulos desenvolver a expressão artística pessoal individual no aprimoramento do Kung Fu. 

Diante da riqueza de diferentes maneiras de abordar os dispositivos do Sistema, passamos promover encontros entre os mais antigos discípulos no Núcleo Ipanema, para trocarmos experiências e expormos nossas diferentes visões sobre a Fase Semi-estruturada. E nesse bate bola requintado com muita sintonia, tal como aqueles times bem entrosados de futebol que "jogam por música", sem a necessidade de nenhuma postura professoral, ou as antigas disputas de egos de quando éramos inexperientes praticantes. nos permitimos o fluir de nossas peculiares leituras com muito Kung Fu. 

Nosso Si Fu costuma dizer que não é nada suspeito pelo seu enorme e crescente entusiasmo com o Sistema Ving Tsun, porque dado suas décadas de dedicação em estudá-lo profundamente, suspeito é quando um "novato" tem tamanho apreço por essa obra de Arte Marcial, sem sequer conhecê-la muito bem. Nesse mesmo espírito, eu e meus irmãos Kung Fu temos buscados nesses encontros, de maneira muito serena e zelosa, mergulhar cada vez mais profundo nas incríveis nuances de cada dispositivo que foram nos apresentado durante nossas jornadas. 


O mais saboroso desse banquete marcial, é a sensação que tenho de poder ressignificar meus pontos de vista sem abrir mão dos meus entendimentos, pois cada encontro desse, onde a sintonia e a mente aberta de cada um de nós da "velha guarda"da Família se faz presente, é um evento de altíssimo nível promovido dentro de simples e bons momentos, nos ensinando aprender a aprender, de maneira sóbria, e muito divertida.



Nunca dê três passos maiores que uma braça.


Talvez um dos conselhos mais antigos que me recordo de ter sido repetido exaustivamente por todos os que conheceram em minha juventude é o sobre nunca se dar um passo maior que a própria perna. Minha natureza impulsiva, destemida e questionadora, sempre me levou ignorar essas sábias palavras como se fossem tolices que levadas ao pé da letra, me manteriam aquém do potencial que sempre vi em mim. A ousadia sempre me foi muito mais sedutora que a prudência, e hoje compreendo bem o preço que paguei em não entender que o problema nunca foi transgredir os limites que me impunham, mas sim não respeitar os meus limites até nas circunstâncias mais tranquilas.

Nos últimos meses, o Mestre Sênior Julio Camacho, ao qual me refiro por Si Fu nessas linhas (Líder de Família Kung Fu), vem ministrando diretamente de Miami aos seus discípulos aqui no Brasil, encontros on-line sobre sua compreensão e entendimento da Trilogia de Níveis que Compõe a Fase Estruturada do Sistema Ving Tsun de Inteligência Marcial. E em seus últimos encontros, fiquei muito satisfeito comigo mesmo em perceber que algumas profundas mudanças na minha velha maneira de agir e pensar, como o que mencionei acima no primeiro paragrafo, estão acima de tudo, muito alinhadas com a natureza dos Domínios do Sistema Ving Tsun dentro da perspectiva pessoa; que meu próprio Si Fu compreende.


No caso do Domínio Cham Kiu, Nível Intermediário da Fase Estruturada, cuja transliteração direta do Cantonês para o Português pode significar Ponte de Uma Braça, nomenclatura que num olhar superficial talvez não faça muito sentido para nominar uma das Naturezas de um Sistema Marcial, mas que quando se investiga com mais profundidade, compreende-se o simbolismo referente aos desafios dentro da própria capacidade,  através dos movimentos corporais em sintonia com a proposta de execução que a prática nos sugere. Pois esse conceito traduz em muito o executar  de sua sequência levando a energia gerada pelo corpo ao limite do próprio alcance em todas as direções, através da manutenção dinâmica do posicionamento ideal construído no Nível anterior, de maneira onde diferentes partes do corpo se movimentam sem se perder a fluência, na busca pelo equilíbrio, sempre respeitando os próprios limites. 

Quando durante nossa Prática Especial On-line, meu Si Fu ressaltou, que o grande desafio desse nível, tratava-se de desenvolver a capacidade de superar os pequenos obstáculos da vida, pois uma braça é o limite máximo de entre uma mão e outra com os braços esticados lateralmente, que dá o exato tamanho de três passos sobre uma base onde os pés ficam na distância ideal para um transferência de peso de maneira estratégica, imediatamente me senti satisfeito em perceber que já tem algum tempo que ando bastante atento em desenvolver a capacidade de "dar passos do tamanho da minha perna" em todas as minhas ações, e abrindo mão dos grandes saltos arriscados que sempre gostei de ousar em minhas decisões. 

Como também já ouvi inúmeras vezes no Círculo Marcial que é comum um praticante de Ving Tsun não se dar conta do quanto te Kung Fu conseguiu desenvolver. Essa semana foi um desses raros momentos que fiquei feliz em perceber o quanto amadureci nesse sentido. Mas como sempre me orienta meu Si Fu, não posso me dar o luxo de parar para comemorar, muito menos me dar por satisfeito por muito tempo para não incorrer no risco de se acomodar diante do tanto que se tem para aprender. Que venham novos desafios!