domingo, 10 de janeiro de 2021

Direto ao ponto.

Certa vez o Mestre Sênior Julio Camacho, ao qual passarei me referir por Si Fu ( Líder de Família Kung Fu) nessas linhas, me solicitou que eu lhe explicasse com as minhas palavras qual meu entendimento sobre o que é o Sistema Ving Tsun. Lembro-me que disse algo de maneira prolixa e sem um direcionamento claro, sobre um ser um sistema estruturado em relação ao desenvolvimento da capacidade de se preservar em relação a Linha Central. Ao concluir minha imatura explanação sobre o que acreditava ser a resposta, meu Si Fu me perguntou em qual parte das Listagens dos Seis Domínios de Naturezas Siu Nim Tau (小念頭), Cham Kiu (尋橋) Biu Ji (標指) , Mui Fa Jong (梅花樁), Luk Dim Bum Gwan (六點半棍) e Baat Jaam Do (八斬刀), havia alguma referência sobre a referida Linha Central? Logo após essa questão, de maneira simples e objetiva, me explicou que o Sistema Ving Tsun se tratava do conjunto dessas seis Listagens de Combate Simbólico, executadas em consonância suas Natureza, para minha surpresa, disse que Linha Central, é uma referência compreendida como necessária para a execução dessas movimentos peculiar à nossa linhagem, mas que existem outras escolas que sequer fazem o estudo dela. 

Mestre Sênior Julio Camacho, Mestre Leonardo Reis 
e Tutor Claudio Teixeira 

A objetividade com que meu Si Fu desconstruiu algo que tinha certeza em minha imatura percepção do Sistema, não só me proporcionou um conhecimento maior até mesmo sobre minhas equivocadas  percepções de um principiante, como modificou minha maneira de buscar compreender mais e melhor sobre a única Arte Marcial do mundo, onde o conhecimento transmitido pelo saber de uma Anciã inspirou a estruturação sistêmica desses movimentos corporais por uma jovem mulher. Passei compreender nesse dia com mais clareza a necessidade de solicitar sua mentoria como fonte de ampliar meu saber sobre o Kung Fu. 

Mestres Sêniores Ursula Lima, Julio Camacho e Ricardo Queiroz 
em Foto Oficial no Centro de Transmissão Barra da Tijuca

Dizer que um Discípulo aprende com o seu Mestre, é algo parecido que dizer que a chuva molha onde cai. Recentemente, após nosso último encontro de atividades no Centro de Transmissão Vitrine de Ipanema, meu Si Fu solicitou-nos escrever um pouco sobre nossa percepção ao seu respeito após esse período que ficamos fisicamente afastados dado sua mudança para a Flórida. E de uma maneira peculiar, mencionou que esse afastamento em si trouxe-lhe uma relativa dificuldade de notar o quanto as relações com seus Discípulos o transformava.  Essa colocação me deixou bastante reflexivo sobre o quanto um Si Fu aprende com seus Daai Ji. E óbvio que me fez refletir também, o quanto sou beneficiado no processo de representá-lo como tutor do Sistema no Mogun  (Sala de Guerra) de nossa Família em Ipanema. 

Mestre Thiago Pereira e Mestre Sênior Julio Camacho 
Centro de Transmissão Vitrine de Ipanema 

Para responder essa pergunta, minha experiência como o Daai Ji da Família Moy Jo Lei Ou que mais viajou com nosso Si Fu, me ajudou compreender primeiro a maneira estremamente estratégica de agira como ele sempre se comportou em suas viagens. E lembrando que dessa, e pela primeira, vez, que ele estava no Rio de Janeiro viajando e não residindo, ficou claro como sua ênfase na precisão me parecia muito mais visível em cada ação ou palavra nesse período de Dezembro que estava conosco. Para quem o conhece, é sabido sua incrível capacidade de através do relaxamento mudar rapidamente de frequência a cada circunstância. Mas em viagens a sua precisão e sintonia, sempre me foram mais visíveis. Até porque quando se viaja com o Si Fu, como ele mesmo costuma dizer, não existe folga para o Kung Fu, são vinte e quatro horas por dia em exposição constante, dormindo muitas vezes no mesmo quarto, e já acordando no compromisso intenso e gratificante da "pratica" da Vida Kung Fu.  E foi assim que o vi o tempo todo nesse mês de Dezembro, precisamente pontual no sentido mais amplo do termo. 

Mestre Sênior Julio Camacho em Foto Oficial no CT Vitrine de Ipanema 

Providencialmente, nesse ultimo encontro em Ipanema, tivemos um atividade voltada para o estudo do Daa Hung Jong, que é o estudo da Listagem do Mui Fa Jong (Nível Superior Inicial), se o uso do aparelho Muk Yan Jong, o emblemático "Boneco de Madeira do Sistema Ving Tsun. Nesse Componente Associado do Sistema, a reprodução das listagens no "vazio", conforme o Ideograma do meio aponta, requer do praticante, além da criatividade para se explorar as possibilidades de se explorar sequências análogas à pratica no aparelho, uma precisão com as próprias referências corporais. A necessidade de ser respeitar os pontos referenciais, exigem uma inteligência estratégica que em se pode ser facilmente percebido com o que sempre vejo nas ações da luta do dia a dia do meu próprio Si Fu. 

Líderes do Clã Moy Jo Lei Ou, Mestre Sênior Julio Camacho e Sra Márcia Moura 
em despedida no Aeroporto Internacional Tom Jobim 

Tentando resumir como o vi nessa viagem em relação extrair benefícios tangíveis de tudo que ocorreu enquanto estive aqui, me foi notório o quanto o vi respeitando com impressionante precisão cada um dos pontos de cada uma das situações ocorrida junto a ele, tanto os mais adequados, quanto os  falhos, por todos que tiveram contato presencial nesse período. E o quanto sem abrir mão dos próprios pontos que lhe são preciosos princípios, como por exemplo a atenção cuidadosa e aproveitamento favorável, extraindo e conduzindo cada um de nós explorarmos e desenvolvermos nosso próprio Kung Fu. Nos visitando, foi perceptível que sua sintonia com seu propósito pessoal de liderança da sua Família Kung Fu, tornou-o mais contundente nos direcionamentos necessários para o Clã Moy Jo Lei Ou amadureça cada vez mais, em seu retorno à Flórida, onde em breve, estaremos para experienciar uma outra realidade. De visitarmos e o apoiarmos nesse processo de internacionalização de nossos Centros de Transmissão.